| os tempos da fotografia

são dois os tempos da fotografia. o da espera eu vivi com a minha primeira lomo. sem muito embaraço, insaciavelmente simples, direcionava e atirava até o fim do filme. o que dava o tom da espera era o tempo que eu deveria aguardar para ver tudo o que eu estava vendo enquadrado de uma outra maneira. a demora é quase cúmplice da revelação. o prazer está em percorrer e prolongar a primeira com o desejo de, quanto mais elástico, chegar logo ao final. (o resultado segue a tônica do processo: o que considero como primeira revelação – deixo de fora as poucas da graduação – foi tão excitante quanto decepcionante. e reconhecer o valor da agulha é também elementar.)

o segundo tempo da fotografia é o tempo da ação. aquele em que, numa perfeita sincronia, o olho busca, paralisa e o dedo aprisiona. se os instantes não são de todo decisivos (tão interessante quanto pode ser o que excede – e o que antecede), o tempo da ação é aflitivo, fortuito, imediatamente prazeroso. é uma batida. e urgentemente sereno.

aliás, para uma amante apenas que sou, a ação ainda toca no medo da perda por descuido da técnica.
resolvi usar minha pentax pela primeira vez numa viagem, um estado de espírito geralmente acelerado pelo novo. o arrojo não caia bem com a memória fraca para conceitos básicos vistos há anos.
no entanto, foram a euforia e a agilidade dos celulares ao redor, o sol empinado e o olho encaixado no visor que me fizeram pensar neste tempo da fotografia, onde quase tudo acontece para acabar no momento seguinte. aqui, quanto mais vivo era o objeto fotografado mais conflitante era o espaço entre a pressa e a calmaria.

o entusiasmo puro pelo pensamento da câmera, pela dança entre a luz e abertura, reduz, por agora, a ansiedade na materialização do capturado. o que valia era o percurso que levava ao disparo, entre a excelência e a despretensão.
a revelação do meu primeiro filme na analógica foi até que feliz, condizente sobretudo com a paciência de ficar um pouco para trás e depois compensar na carreira.

dois processos e tempos distintos.

. imagem: fotos de montevidéu (pedestrianismo com uma câmera na mão e mil ideias na cabeça) e colônia do sacramento, 2018.

1F63DE8A-9D79-427A-A963-7FC0CDA5A388

Publicado por

mibuarque

Escrevo para liberar as vozes que surgem dentro de mim. Jornalista. Respiro e vivo teatro. Sou a protagonista e diretora do filme que é a minha vida. Encontro-me na literatura, nas músicas, nos museus, nos cinemas... E no vento que dobra cada esquina.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s